30 março 2015

Em que pé estamos com a água

Com a rotina determinada, nossos hábitos e horários se adaptaram como já havia comentado anteriormente.
Semana passada, decidiram reduzir o racionamento no prédio para fins de teste. Agora, ficamos sem agua apenas das 13h às 18h. Para quem já tinha acostumado com apenas 6h de água no dia, isso é um paraíso! Espero que os vizinhos não se afoguem :)
Mesmo com essa nova condição, não consigo mais acionar uma descarga sem imaginar litros e litros de água limpa indo esgoto abaixo.
Permanecemos utilizando preferencialmente apenas um vaso sanitário e aproveitando a água armazenada do banho. Uma vez por dia, aciono com cloro por questões de higiene.
E assim vamos aprendendo e melhorando

28 março 2015

Bolo básico vegano e com pouco gluten

Essa receita foi pura sorte.
Criei ontem para o niver do marido e deu super certo.
O bolo da foto leva granulado de chocolate na massa para dar o efeito de formigueiro, pois o marido gosta, mas para ser 100% vegano, pode substituir por nib de cacau ou  colocar castanhas ou até nada, apenas a massa padrão da receita abaixo.

Ingredientes:
3 colheres de sopa de linhaça triturada
3 colheres de sopa de água para hidratar a farinha de linhaça (substitui o ovo)
3 colheres de sopa de creme vegetal
2 xícaras de farinha de trigo integral, e de preferência orgânica, peneirada
1 xícara de farinha de arroz integral
1 xícara e meia de açúcar mascavo
2 xícaras de água
1 colher de sopa de fermento

Modo de fazer:
Pré aqueça o forno a 180 graus.
Deixe a farinha de linhaça hidratando.
Na batedeira, misture o creme vegetal e o açúcar. Bata bem e acrescente a linhaça.
Vá adicionando a farinha aos poucos, alternando com a água
Depois de bem batida, coloque o fermento e bata um pouco em velocidade baixa.
Leve ao forno por 40 minutos (180o). Teste com o palito, tem que sair sequinho.
Bom apetite.

Obs: com 2 xícaras de açúcar ficou muito doce para meu paladar, mas para quem gosta de bolos bem doces, pode utilizar

27 março 2015

Aproveitamento integral de alimentos - 0% de desperdício e 100% de saúde e economia!

Nem sempre sabemos tudo o que podemos utilizar de um alimento. Acabamos jogando no lixo nutrientes muito importantes para nossa saúde, além também de dinheiro!

Você sabia que algumas cascas, talos e folhas são mais ricos do que o próprio vegetal ou fruta? Porém, não acho recomendado utilizá-los quando o alimento é convencional, pois geralmente os agrotóxicos se concentram em maior quantidade neles. Só utilizo integralmente quando orgânicos.

Vou listar aqui, alguns que utilizo e posso afirmar que são muito saborosos:

1) Casca de banana - há poucos dias compartilhei a receita de bolo de casca de banana
Rica em potássio e vitamina C (o dobro da polpa), além de vitaminas A e B, e também fósforo.

2) Casca e sementes de abóbora - cozinho junto com a própria polpa. Acho bastante saborosas.
As sementes também são ótimas tostadas com um pouquinho de sal; aperitivo bem gostoso. São ricas em triptofano, zinco, magnésio, proteínas e ferro. Também conhecidas como um bom vermífugo.

Se fizer um purê de abóbora, a casca amassada é imperceptível (no caso de abóbora japonesa ou paulista)
A casca é rica em fibras, vitamina C e carotenoides.

3) Talos e folhas de beterraba - deliciosos em sopas e também refogados. O talo é tão saboroso quanto a própria beterraba.
Os talos possuem flavonoides, importantes contra o envelhecimento das células.
As folhas são fontes muito mais poderosas em vitamina C do que a laranja.

4) Ramas de cenoura - muito comum na culinária japonesa no preparo de tempura, mas também são ótimas cruas em salada e o uso que mais gosto é desidratada e transformada em farinha. Essa farinha pode ser utilizada no preparo de pães e bolos. Fica muito bom.
Muito mais rica em proteínas, vitamina C, fibras e cálcio do que a própria raiz.
Para preparar a farinha de rama, basta deixá-las secar ao sol. Depois de alguns dias, ela estará bem desidrata e basta bater no liquidificador (foto abaixo).
Essa matéria é interessante - Ramas de Cenoura

5) Folhas de nabo - podem ser usadas refogadas ou em sopas.
Tem propriedades anti-inflamatórias, vitaminas A, C, E e K, manganês, betacaroteno e ômega 3. É considerado um remédio natural para artrites e inflamações.

Enfim, quase todas as folhas, talos e cascas podem ser utilizadas. Pergunte a um nutricionista, pesquise, experimente e aproveite, você só tem a ganhar!





22 março 2015

Bolo de casca de banana Barbaramente Saudável!

Quanto tempo sem compartilhar uma boa receita por aqui!

Essa é especial, não só pelos benefícios dos ingredientes mas também pela questão de 100% de aproveitamento do alimento, desperdício ZERO.

Recomendo que seja feito somente com cascas de bananas orgânicas pois as convencionais absorvem muito agrotóxico em suas cascas. Outro dia, compartilhei no facebook, uma matéria que demonstrava o quanto de agrotóxico as bananas estão recebendo - bananas convencionais x agrotóxicos

Antes de descascar a banana, já lavo e assim que descasco, coloco em um saquinho dentro do congelador. Normalmente, deixo na geladeira algumas horas antes de fazer o bolo, pois descongela super rápido, mas hoje fiz com elas congeladas mesmo, apenas precisei acrescentar 1/2 xícara a mais de água na hora de bater as cascas no liquidificador.


Ingredientes


- 2 xícaras (200 ml) de casca de banana madura picada
- ½ xícara de água (se congelada, 1 xícara)
- 4 gemas
- 5 colheres de sopa rasas de margarina
- 2 e ½ xícaras de açúcar mascavo
- 3 xícaras de farinha de trigo (utilizo 2 xícaras da integral e 1 xícara da branca ou de arroz)
- 2 colheres de sopa de fermento em pó
- Canela para polvilhar
- 4 claras em neve

Modo de fazer

Bater no liquidificador as cascas de banana com a água até ficar um creme. Adicionar as gemas e a margarina.
Numa batedeira, acrescentar a esse creme o açúcar, em seguida a farinha de trigo e o fermento em pó.
Ao final, acrescentar as claras em neve, mexendo suavemente.
Colocar a massa em uma assadeira untada e polvilhada com farinha. Utilizo uma redonda de 30 cm de diâmetro
Se quiser, acrescentar canela em pó sobre a massa.
Assar em fogo médio pré aquecido (200o - 220o) por 30 a 35 minutos ou até a massa ficar bem sequinha ao testar com o palito. Pelo aroma já dá para saber quando está pronto :D

Sucesso garantido! Não sou boa boleira, mas esse dá muito certo!


13 março 2015

"A criança gordinha de hoje pode ser o adulto obeso de amanhã"

Sim, sim e sim!
Lendo o compartilhamento abaixo da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia), posso afirmar com certeza que a frase deles, que dá título a esse texto, é totalmente verdade
Só eu sei o que passei.
Aos 9, graças a estimuladores de apetite, comecei a engordar. Meus pais nunca proibiram nada na minha alimentação e não tinham acesso a nem metade das informações que temos hoje em dia.
Minha mãe, marinheira de 1a viagem, preocupada com uma filha que era chata para comer, liberava o que eu aceitava comer - biscoito recheado, requeijão, macarrão instantâneo e outras tranqueiras. Culpa dela? Não, ela não sabia o mal que essas porcarias faziam.
Aos 12, comecei a praticar esportes e dei uma emagrecida. Aos 18, conheci pela primeira vez os inibidores de apetite e até os 35, vivi na guerra contra o peso, estimulada por inibidores, muito esporte e comida relativamente saudável.
De pouquinho em pouquinho voltei a engordar. Na gravidez, emagreci e assim permaneci durante a amamentação.
Meu filho mamou livremente por 2 anos, mas quando a frequência diminuiu, após a introdução alimentar com 6 meses, voltei a engordar gradativamente.
Em 1 ano, engordei 7 kg e em seguida mais 3 kg, ao todo 10 kg em 1 ano e meio.
Foi quando em Julho/ 2014, decidi mudar isso e espero que para o resto da vida.
Um compulsivo alimentar nunca pode cantar vitória, tem que estar sempre atento a qualquer deslize.
Mas, dessa vez, acredito que seja diferente. A grande mudança em minha alimentação tem sido fundamental na manutenção do peso que eliminei, sai dos 80 kg para os 65 kg atuais.
Toda essa mudança é estimulada principalmente pelo que proporciono na alimentação de meu filho. Não quero que ele passe por tudo que passei.
Muitos falam - se proibir é pior, a criança vai atacar o que vir pela frente depois.
Então questiono, se nada foi proibido a mim, porque eu atacava mesmo assim?
Podem até me dizer - ah, foram os estimulantes na infância e/ou os inibidores depois na fase adulta.
OK, eles até podem influenciar, mas o fato é que a educação alimentar tem grande impacto nisso. Prefiro que meu filho conheça bons alimentos e depois escolha se quer continuar seguindo esse caminho.
Acho mais fácil isso, do que lá na frente, um adulto com paladar viciado, que teve livre acesso a açúcar, gorduras e tudo de pior que possa imaginar, conseguir abrir mão de tudo isso na escolha de uma vida saudável.
É claro que toda regra tem sua exceção, mas diante do que passei, prefiro oferecer alimentos saudáveis e o futuro... a Deus pertence.
Pensem nisso.
foto: blog nutricionista gabriel nunes