23 janeiro 2015

Glúten - vilão ou mocinho?

Esse é um tema bastante na moda nos dias de hoje - o glúten.

Ele é uma das principais restrições das dietas atuais concorrendo de perto com a lactose. Logicamente, há pessoas que realmente não podem ingerir glúten, são as celíacas, elas têm reações à proteína gliadina presente no glúten, muitas graves que com o tempo podem até levar à morte.

Já li também alguns estudos relacionando a relação de psoríase, rosácea e algumas dermatites com o excesso de glúten. Li também sobre a melhora em crianças autistas ao deixarem de ingerir glúten e lactose. 

Eu que possuo rosácea, já testei ficar um bom tempo sem glúten para verificar se haveria alguma mudança. É claro que nem sempre as mudanças se apresentam rapidamente, só após um período restringindo aquele alimento. Para mim não houve qualquer alteração no aspecto da rosácea, mas também já percebi que o maior agravante dela é o estresse, no meu caso.

Mas hoje em dia, boa parte das dietas que excluem o glúten da alimentação são feitas com base em teorias que acreditam que a retirada dele ajuda na perda de peso e no melhor funcionamento do organismo. Muitos também acreditam que mesmo não prejudicando no presente, a ingestão do glúten pode levar a sérios comprometimentos, principalmente intestinais, numa idade mais avançada.

Particularmente, acho que o problema todo é o excesso de ingestão e também a qualidade do trigo atual (entre outros ingredientes que possuem glúten). Mas, isso é minha opinião (lembrando, não sou nutricionista, nem médica), com base no que observo em pessoas que convivo e em mim. Acho que toda restrição alimentar por "modismo" ou apenas para emagrecer, isto é, que não seja por uma questão de saúde ou por muita convicção (racional ou emocional), pode levar a uma compulsão futuramente. O ideal sempre é o equilíbrio.

Se diariamente a pessoa come por exemplo, um pão francês pela manhã, no almoço macarrão, aí no lanche da tarde alguns biscoitos, chega em casa e vai jantar uma pizza com cerveja, logicamente o vilão dessa estória não é o glúten e sim o excesso dele. E se de uma hora para a outra, a pessoa corta tudo isso da alimentação, é óbvio que vai emagrecer e se sentir melhor!

Agora, se numa dieta equilibrada, rica em nutrientes, você ingerir um alimento por dia que possui glúten, como um pão integral ou uma massa integral, acho pouco provável que terá desconfortos gástricos ou intestinais e irá engordar (lembrando, no caso de pessoas não celíacas).

Vale destacar também a qualidade da farinha que ingerimos ultimamente. Dê uma olhada no rótulo, veja quantos outros itens são adicionados a ela, procure saber a origem do trigo (muitas vezes transgênico) que é utilizado. Com tudo isso, será mesmo que o glúten é o vilão?

Experimente um pão ou massa feito com farinha orgânica integral. No caso de pães, experimente também os de fermentação natural e compare a diferença em seu organismo.

Ah, e sempre bom ressaltar, o glúten não está presente apenas no trigo, como também na cevada, no centeio e na aveia.

Leia sempre os rótulos, não são somente o pão, o biscoito e o macarrão que possuem glúten, você vai encontrar em diversos outros alimentos principalmente processados. Fique atento para não consumir em excesso sem nem saber!
foto: hypescience.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por entrar em contato